DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
27 de maio de 2022

Passeios às Piscinas Naturais da Pajuçara terão que respeitar zoneamento

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A partir de agora as pessoas que fazem passeios às piscinas naturais terão que observar o Zoneamento Ambiental do Banco Recifal da enseada da Pajuçara. A resolução aprovada pelo Conselho Estadual de Proteção Ambiental (Cepram) prevê o disciplinamento do uso das áreas, com a delimitação para os locais que podem e não podem receber diversos tipos de embarcações, com ou sem motor, além da pesca artesanal.

Segundo informações do Gerenciamento Costeiro do Instituto do Meio Ambiente (Gerco/IMA) a situação carecia de uma resolução urgente. Os estudos técnicos estavam em construção considerando as demandas dos usuários, comerciantes e necessidades de proteção sobre as áreas ainda preservadas.

O documento aprovado pelo Conselho define oito zonas para: fundeio misto, fundeio não motorizado, circulação, mergulho autônomo, tráfego, pesca artesanal, recreação e uso restrito.

“Nos estudos observamos que têm áreas já bastante impactadas e outras que podem se transformar em locais para recomposição e refúgio da biota local, por isso foram definidas também as zonas de uso restrito onde poderão ser feitas pesquisas científicas”, comentou Ricardo César, coordenador do Gerco/IMA.

Além da definição das zonas citadas, foi ressaltado no documento que é proibido: o lançamento de qualquer tipo de âncora sobre os bancos de recifes e algas; alimentar e comercializar alimentos para peixes; esclarece ainda que retirar fragmentos dos recifes são permitidos apenas para fins científicos.

A resolução do Cepram foi publicada em Diário Oficial na sexta-feira (8), os próximos passos preveem reuniões de alimentos com os coletivos de usuários, como a Colônia Z1 de Pesca, que organiza a maioria doss jangadeiros que fazem os passeios turísticos na área. Eles terão que passar por atividades educativas de programas como o conduta Consciente em Ambientes Recifais.

Caberá ao IMA/AL  as ações de monitoramento, fiscalização e pesquisa. A equipe do órgão poderá pedir apoio e parceria ao Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), Secretaria de Turismo do Estado de Alagoas (Sedetur), Secretaria de Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente de Maceió (Sedet), Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer (Semtel), Colônia Z1, além de instituições de ensino e pesquisa.

Fonte: TNH1
Ascom IMA-AL
Foto: Divulgação
IMA-AL

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comercial

Redação

© 2020-2021 Imprensa Online – Todos os direitos reservados

Desenvolvido Por