DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
24 de março de 2023

“Não compraremos a vacina da China”, afirma Bolsonaro

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Declaração de Bolsonaro vem após o Ministério da Saúde demonstrar interesse na vacina Chinesa. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil).

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (21) que o governo federal não vai comprar a vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

Segundo ele, antes de ser disponibilizada para a população, a vacina deverá ser “comprovada cientificamente” pelo Ministério da Saúde e certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O povo brasileiro não será cobaia de ninguém. Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem”, escreveu Bolsonaro em publicação nas redes sociais.

Interesse do governo pela vacina

Na terça-feira (20), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, assinou um protocolo de intenções após reunião virtual com governadores para adquirir 46 milhões de doses da CoronaVac, com o objetivo de ampliar a oferta de vacinação para os brasileiros.

O ministério já tinha um acordo com a AstraZeneca/Oxford, que previa 100 milhões de doses da vacina, e outro acordo com a iniciativa Covax, da Organização Mundial da Saúde, com mais 40 milhões de doses.

De acordo com o ministério, o processo de aquisição ocorreria somente após o imunizante ser aprovado e obter o registro junto à Anvisa. Para auxiliar na produção da vacina, a pasta já havia anunciado o investimento de R$ 80 milhões para ampliação da estrutura do Butantan.

CoronaVac

A vacina CoronaVac já está na Fase 3 de testes em humanos e, segundo Instituto Butantan, ela é segura, ou seja, não apresenta efeitos colaterais graves.

Ao todo, os testes serão realizados em 13 mil voluntários e a expectativa é que sejam finalizados até dezembro.

Caso a última etapa de testes comprove a eficácia da vacina, o acordo entre a Sinovac e o Butantan prevê a transferência de tecnologia para produção do imunizante no Brasil. A CoronaVac requer duas doses por pessoa.

Presidente respondeu seguidor em rede social sobre a vacina da China. (Imagem: Reprodução).

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comercial

Redação

© COPYRIGHT 2023 – GOCOM GRUPO ONLINE DE COMUNICAÇÃO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

DESENVOLVIDO POR