DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
7 de dezembro de 2022

Medicamento para Alzheimer produz resultados positivos, mostra estudo

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Um medicamento experimental para Alzheimer, fabricado por Eisai Co Ltd e Biogen, retardou o declínio cognitivo e funcional em grande teste em pacientes nos estágios iniciais da doença. A informação foi divulgada pelos fabricantes, que consideram o resultado uma vitória potencialmente rara em campo repleto de medicamentos fracassados.

Até agora, vários fabricantes de medicamentos tentaram e falharam em encontrar tratamento eficaz para a doença, que afeta cerca de 55 milhões de pessoas em todo o mundo. Um avanço seria um grande impulso para estudos semelhantes conduzidos por outros laboratórios, como Roche e Eli Lilly.

A droga lecanemab retardou o progresso da doença em 27% em comparação com um placebo, atingindo o objetivo principal do estudo e oferecendo esperança para pacientes e famílias ansiosos por um tratamento eficaz.

A corrida para conter a progressão da enfermidade ocorre quando o número de norte-americanos que vivem com a doença deve dobrar para 13 milhões até 2050, de acordo com a Associação de Alzheimer.

Globalmente, o número pode chegar a 139 milhões até 2050 sem um tratamento eficaz, disse a Alzheimer’s Disease International. A Eisai está buscando a aprovação da Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA), a reguladora norte-americana, em processo acelerado, com decisão prevista para o início de janeiro.

O objetivo é a aprovação e comercialização total do medicamento nos Estados Unidos, na Europa e no Japão até o fim de 2023, disse o executivo Haruo Naito em entrevista em Tóquio. Para a fabricante, os resultados do teste com 1.800 pacientes provam teoria de longa data, de que a remoção de depósitos de uma proteína chamada beta-amiloide do cérebro de pessoas com Alzheimer precoce pode retardar o avanço da doença.

Embora os resultados de primeira linha do lecanemab sejam convincentes, ainda é “muito cedo” para determinar se os efeitos são clinicamente significativos, disse Kristian Steen Frederiksen, diretor de uma unidade de ensaios clínicos da Universidade de Copenhague.

A taxa de um efeito colateral de inchaço cerebral, associado a tratamentos antiamiloide, foi de 12,5% no grupo lecanemab e de 1,7% no grupo placebo. Mas muitos casos não causaram sintomas, com inchaço cerebral sintomático observado em 2,8% das pessoas, disseram as empresas.

Fonte: Agência Brasil
Foto: Divulgação

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comercial

Redação

© 2020-2021 Imprensa Online – Todos os direitos reservados

Desenvolvido Por