DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
1 de julho de 2022

Jangadeiros alagoanos comemoram “invasão” de turistas a Maceió

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

O mês de dezembro superou as expectativas dos segmentos do turismo e especialmente dos 250 jangadeiros que fazem passeios das piscinas naturais da Pajuçara, em Maceió. “Os turistas voltaram!”, comemora o jangadeiro Onaldo de Oliveira, 63 anos, depois de dois anos sem trabalhar.

Para manter o negócio aquecido, os profissionais cumprem à risca os protocolos sanitários. “O turista só sobe na jangada de máscara e a gente oferece o álcool em gel. Lá, nas piscinas, eles podem tirar a máscara”, explica outro jangadeiro, Nivaldo dos Santos.

A secretária Municipal de Turismo, Patrícia Mourão, confirma o aquecimento do turismo na capital e faz projeção de alta temporada satisfatória até março. Ela atribui a opção dos turistas por Maceió ao trabalho integrado do prefeito JHC (PSB), que colocou a capital entre os de melhor desempenho na Campanha Nacional de Vacinação. Segundo a secretária, além dos jangadeiros, a maioria dos segmentos comemora a volta dos turistas.

Os jangadeiros amargaram dois anos de prejuízos por causa da pandemia. Os informais e os pescadores ficaram sem ajuda social da prefeitura e do governo estadual. Sem alternativa, a maioria voltou a trabalhar com a atividade pesqueira para garantir o sustento da família. “Agora tudo indica que até março o turismo vai bombar”, acreditam os jangadeiros José Inaldo e Carlos dos Santos.

Nos hotéis o movimento é considerado surpreendente e os voos chegam lotados. A frustração dos segmentos foi a suspensão da circulação no País, conforme determinou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), dos navios de cruzeiros até o dia 4 de fevereiro por causa do aumento no número de casos da Covid-19 e da Influenza. Cada cruzeiro traz mais de dois mil turistas que aquecem a economia das cidades.

Jangadas na Pajuçara, em Maceió – Foto: Ailton Cruz

Mesmo assim, semanalmente chegam turistas de avião, ônibus e carros particulares. Os empresários Antônio Guerra e Ana Carolina Moraes vieram do Mato Grosso, pretendiam ficar apenas uma semana em Alagoas e seguiriam para Salvador. Depois do passeio de jangada, decidiram prolongar a estada em Maceió.

“As praias do Francês, Maragogi e o passeio de jangada até a piscina da Pajuçara fazem a gente esquecer este momento triste da pandemia do coronavírus e da Influenza. A gente tem a sensação de que está no Paraíso”, disse o empresário. “O uso de máscara é obrigatório em todos os lugares”, afirmou o casal.

PREÇO

Alguns turistas ficaram surpresos com o aumento do preço do passeio de jangada até a piscina natural. Até 2019 o valor por pessoa era R$ 25 a R$ 35. Visitantes que estiveram em Maceió em anos anteriores estranharam o aumento para R$ 50.

Porém, o preço voltou a subir na quinta-feira (13) [data do aumento dos combustíveis] e agora o preço individual do passeio até a piscina natural é R$ 65 “A jangada é movida a vento, por que aumentou o preço do passeio até a piscina natural?” perguntou um dos turistas que não quis se identificar.

A presidente da Colônia dos Pescadores Z1, Maria Aparecida da Silva, informou que a Prefeitura de Maceió e a colônia estão fazendo o ordenamento da atividade.“Foi instalado um ponto de venda de passagem, há funcionários para atender a demanda.

Cada turista agora terá seguro em caso de acidente. A fiscalização será mais rigorosa e todos os equipamentos de segurança, salvatagem, estão garantidos”, explicou.

Cada jangada tem lotação máxima de seis pessoas e só parte para o passeio com a lotação completa. Atualmente, 180 jangadas fazem o trajeto até a piscina natural. Elas garantem cerca de 400 empregos diretos e indiretos, disse a líder dos 1,6 mil pescadores e 250 jangadeiros da Pajuçara.

COLÔNIA EXIGE CUMPRIMENTO DE PROTOCOLOS SANITÁRIOS

Turistas se surpreenderam com preço do passeio – Foto: Ailton Cruz

A Colônia de Pescadores exige dos profissionais que trabalham com turistas o cumprimento dos protocolos sanitários. “Ao comprar o voucher [passagem] para o passeio, o turista recebe uma pulseira de identificação, que representa a regulamentação da atividade, com garantias de qualidade do serviço, segurança e orientação sobre os protocolos para evitar a contaminação”, justifica.

“Cida” explicou que o aumento para R$ 65 é para cobrir os novos custos com os funcionários que estarão no quiosque para orientar o turista a respeito dos protocolos e com a segurança”.

Ela conta que a maioria dos profissionais e os diretores da Colônia de Pescadores aprovou a determinação dos órgãos fiscalizadores em exigir o cumprimento das orientações sanitárias. “Tem que ser assim. Alagoas já vacinou quase 70% da população. Maceió é uma das capitais modelo nas campanhas de imunização. Por isso, a cidade está lotada. Isto é bom porque tem muita gente precisando trabalhar e com prevenção para manter a saúde em dia”, disse Maria Aparecida.

O novo quiosque para vender o bilhete do passeio de jangada funciona na Praia da Pajuçara próximo do posto do Corpo de Bombeiros. O ordenamento da atividade era um pleito antigo dos jangadeiros. O acesso às embarcações era feito por abordagem de agenciadores. Havia um preço padrão que poucos respeitavam.

MARAGOGI

A Colônia de Pescadores exige dos profissionais que trabalham com turistas o cumprimento dos protocolos sanitários. – Foto: Ailton Cruz

Outro polo que está “bombando” é Maragogi. Última cidade do litoral Norte, que faz divisa com Pernambuco, consolida-se como o segundo maior ponto de atração turística do Estado. A cidade de 33 mil habitantes, mas que dobrou a população nesta temporada.

O prefeito Fernando Sérgio Lira (PP) confirmou que os hotéis, pousadas e casas de veraneio estão lotados até março. O prefeito, que é vice-presidente da Associação do Municípios Alagoanos (AMA) e médico, foi o primeiro a recomendar a suspensão de festas públicas e cancelar o carnaval de rua.

“Estamos orientando os empresários do trade turístico a manter o rigor dos protocolos sanitários, evitar concentração nos estabelecimentos”, disse, acrescentando que monitora o quadro epidemiológico da cidade.

O município, que não tem tradição de carnaval, oferece passeios às piscinas naturais de banho e mergulho, passeios de catamarãs até as comunidades tradicionais como São Bento, pontos históricos, rotas rurais com cachoeiras. “Com o turismo em alta, o desemprego caiu radicalmente na região”, comemora Lira.

Para manter o turismo aquecido, a prefeitura está investindo R$ 92 milhões em programas de saneamento, abastecimento de água, infraestrutura e ordenamento urbano. “Estas obras em andamento fazem parte do marco referencial do saneamento e ajudam também a combater o desemprego na região”.

Fonte: Gazeta Web
Arnaldo Ferreira
Foto: Ailton Cruz

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comercial

Redação

© 2020-2021 Imprensa Online – Todos os direitos reservados

Desenvolvido Por