DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
14 de julho de 2024
Search
Close this search box.

Homem é preso após aplicar golpe de R$ 400 mil em abrigo de animais em Maceió

Compartilhe este artigo

Suspeito foi levado para a Central de Flagrantes I, no bairro do Farol (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um homem foi preso após se passar por dono de construtora e aplicar um golpe de R$ 400 mil em um abrigo de animais de Maceió. Ele foi preso na última segunda-feira (1º), no bairro Cidade Universitária.

A identidade do suspeito não foi divulgada.

Segundo a Polícia Civil (PC-AL), o suspeito chegou a receber o dinheiro para construir a sede da ONG Projeto Acolher, mas deixou a obra e não pagou os funcionários. Ele foi levado para a Central de Flagrantes I, no Farol, e autuado por estelionato.

A responsável pelo abrigo, Naíne Teles, relatou o caso pelas redes sociais da ONG.

Ela informou que a esposa do suspeito e ele procuraram o projeto oferendo boas condições de pagamento para construir a sede do abrigo após a participação dela no quadro “The Wall”, do programa Caldeirão do Huck, na Rede Globo.

Na época, Naíne criou uma vaquinha on-line para arrecadar dinheiro para ajudar na obra já que não ganhou nada no programa.

“Eles disseram que a gente ia dar o dinheiro da vaquinha, que foi depois do programa,[como entrada] e que iam dividir [o restante do valor] em parcelas de R$ 10 mil. E aí, eu acreditei. Dois dias depois, minha obra estava cheia de máquinas e pedreiros fardados. Tudo lindo. Aí, a história começou a mudar. Não era mais R$ 10 mil por mês, porque tinha dado a pandemia e as coisas aumentaram”, relatou Naíne.

Naíne disse ainda que, por causa desses valores altos, havia decidido parar a construção, mas o suspeito conseguiu convencê-la de pagá-lo por volta de R$ 25 mil por mês.

Além de desconfiar dos materiais de construção que chegavam na obra, ela também chegou a receber cobranças dos profissionais da obra por falta de pagamento por parte do suspeito.

“Eu tenho provas de tudo isso. Eu começava a questionar isso. Ele sempre tinha uma desculpa e ia levando. Chegou um determinado momento que eu já tinha dado valores altos a ele que parei e disse assim ‘não tenho mais o que fazer, vou ver até onde ele vai com a minha obra'”, afirmou.

Responsável pelo abrigo, Naíne Teles, explicou a situação pelas redes sociais da ONG (Foto: Reprodução/Instagram)

 

Compartilhe este artigo

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comercial

Redação

© COPYRIGHT 2023 – GOCOM GRUPO ONLINE DE COMUNICAÇÃO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.