DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
24 de abril de 2024
Search
Close this search box.

Bebê internada por picada na testa tem parte do dedo amputada após corte na hora de tirar atadura

Compartilhe este artigo

Uma bebê de 1 ano e 7 meses acabou com parte do dedo mindinho direito amputada por causa de um erro na hora de tirar uma atadura. A amputação nada teve a ver com a internação: Lara de Souza deu entrada no Pronto-Socorro de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, com uma inflamação na testa.

A família acusa a unidade de imperícia. A prefeitura disse lamentar “o ocorrido”

A menina foi picada por um inseto na face, acima dos olhos, e a ferida acabou inflamando. A família a levou para a Pediatria do Pronto Socorro, onde os médicos prescreveram antibiótico e soro na veia e recomendaram enfaixar as mãos para que Lara não removesse o acesso.

Segundo os pais, na última terça-feira (14) uma enfermeira foi tirar as ataduras de Lara com uma tesoura, mas, ao rasgar o curativo, acabou cortando parte do dedo mindinho direito da criança. A mãe notou o sangramento, mas não percebeu a gravidade.

A menina foi levada às pressas ao centro cirúrgico, de onde saiu com a ponta do dedo amputada. Só nesse momento a família soube do incidente.

“Perdeu a unha, e agora ela é uma criança amputada”, disse Adriana dos Santos, avó de Lara.

‘Ela já tem um trauma’

A avó disse que Lara está bastante assustada. “Quando alguém que não seja um familiar chega, ela já joga a mãozinha para o lado e começa a gritar: ‘Dedo, dedo, dedo!’. Ela já tem um trauma”, descreveu.

“Agora imagino a dor que essa criança sentiu de ter amputado sem anestesia, sem nada, um dedo com a tesoura.”

Segundo Adriana, a direção disse que foi “uma fatalidade”. “‘A gente aqui só pode cuidar agora dos pontos’”, citou a avó. “‘A senhora que procure o seu direito’”, emendou.

“A gente quer justiça, mas, quando a gente passa por uma situação dessa, a gente nem sabe o que está falando, porque o dedo não vai voltar para o lugar”, disse.

Os pais chamaram a PM, que os orientou a registrar o caso na 72ª DP (São Gonçalo). Os militares disseram, no entanto, que seria necessário obter uma cópia do boletim médico para anexar ao inquérito. Como a menina ainda está internada, os parentes aguardam a alta para receber o documento.

O que dizem as autoridades

A Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil de São Gonçalo disse, em nota, que “lamenta o ocorrido” e informou que “a criança está estável e sendo avaliada por equipe multidisciplinar diariamente”. “O Pronto-Socorro Infantil está prestando todo suporte neste momento.”

“A profissional, uma técnica de enfermagem concursada há 20 anos no município, foi imediatamente afastada até a conclusão da sindicância que foi aberta para apuração do caso”, emendou.

Fonte: G1
Foto: Reprodução

Compartilhe este artigo

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comercial

Redação

© COPYRIGHT 2023 – GOCOM GRUPO ONLINE DE COMUNICAÇÃO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.